Como plantar flor-do-imperador

As condições climáticas daqui fazem do país um local de grande potencial para o plantio de flores ornamentais, cujo mercado apresenta-se em desenvolvimento nos últimos anos e conta com uma demanda constante por novos produtos. De variadas cores e formatos, as plantas que brotam em solo brasileiro são bastante apreciadas e muito procuradas para decorar diferentes ambientes.

Com uma única inflorescência na extremidade mais alta de uma longa haste reta e robusta, e de forma cônica e piramidal, aparência que a levou a ser chamada de bastão-do-imperador (Etlingera elatior), a espécie é uma das belas plantas ornamentais existentes no país, onde registros dão conta de que o cultivo foi iniciado nas décadas de 1920 e 30. Em arranjos florais, valoriza a decoração de residências, escritórios e outros lugares, como lobbies de hotéis e salões de festas, além de compor o paisagismo de áreas externas como jardins públicos ou privados. O bastão-do-imperador é atrativo para beija-flores e alguns insetos.

Também conhecido como flor-da-redenção, flor-de-cera e gengibre-tocha, o bastão-do-imperador tem origem asiática, mais precisamente no sudeste do continente, onde a cultivar torch ginger é a mais popular. Na Tailândia, a planta não só é apreciada pelo olhar como também é saboreada quando usada como ingrediente em exóticas receitas culinárias locais.

Com cultivo fácil em espaço pequeno, adaptado a diversas regiões do Brasil, crescimento rápido e florescimento durante o ano inteiro, principalmente entre os meses de setembro a fevereiro, o bastão-do-imperador mostra-se um produto com venda garantida. Lá fora, conta ainda com um demandante mercado importador, sobretudo americano, canadense, europeu e japonês.

Dotada de folhas amplas e alongadas, as hastes do bastão-do-imperador podem alcançar de 2 a 6 metros de altura. A planta herbácea e perene, com inflorescências envolvidas por brácteas – folhas modificadas – grandes, coloridas e vistosas, é considerada uma excelente flor de corte, que começa a florescer de um ano e meio a dois anos após o plantio.

Besouros, ácaros, formigas e pulgões estão entre as pragas mais comuns que atacam o bastão-do-imperador. Como não há produtos químicos registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o controle pode ser realizado com produtos alternativos, como armadilhas, pulverização com detergente ou sabão de coco, óleo de nim e calda bordalesa. Entre as doenças destacam-se a antracnose e a podridão do rizoma.

RAIO X
SOLO: rico em matéria orgânica, profundo e bem drenado
CLIMA: tropical, com desenvolvimento melhor em temperaturas de 22 ºC a 35 ºC
ÁREA MÍNIMA: plantio em canteiros
COLHEITA: de 18 meses a dois anos após o plantio
CUSTO: o rizoma pode variar de R$ 5 a R$ 30, dependendo da variedade

MÃOS À OBRA
INÍCIO Compre rizomas ou mudas do bastão-do-imperador, pois a variabilidade genética das sementes pode impedir a uniformidade no padrão das inflorescências. Devem ser oriundos de plantas vigorosas, sadias e produtivas. As quatros cultivares que se destacam comercialmente são a red torch, que possui brácteas vermelhas, a pink torch (cor-de-rosa), a porcelana (rosada) e a branca.

AMBIENTE A temperatura diurna ideal é de 22 ºC a 35 ºC e a noturna de 18 ºC a 27 ºC. A planta não tolera geadas. Entre 70% e 80% é o nível de umidade relativa adequado ao plantio, que deve ser tanto a sol pleno quanto em locais com meia-sombra.

PLANTIO Tem bom desenvolvimento em solos ricos em matéria orgânica, profundos, porosos, mais ácidos (pH de 5,5 a 6,5) e irrigados com frequência. A propagação mais comum é a separação de touceiras ou rizomas. Plante o bastão-do-imperador nas horas de temperatura mais amena, no início das chuvas.
CANTEIROS Planta vigorosa e de grande porte, deve ser plantada em canteiros com espaçamento de 1,5 metro entre si. Para produção de hastes florais, a largura indicada é de 2 a 3 metros; o comprimento varia de acordo com a área desejável; e as plantas são instaladas em fileira simples e espaçadas com 1,5 metro. Para obtenção de mudas, recomendam-se canteiros de 2 metros de largura e plantas em fileiras duplas, com espaçamento de 1 metro entre fileiras e entre plantas.

CUIDADOS Pode as folhas senescentes e inflorescências remanescentes. A cultura é exigente em água, por isso deve-se ter cuidado com a falta do líquido no solo. Seja por aspersão, microaspersão, gotejamento ou infiltração, a irrigação é necessária para o bom desenvolvimento do bastão-do-imperador. A adubação pode ser orgânica ou mineral. O ideal é que seja adicionado composto orgânico no plantio com acréscimo de adubo mineral. Como adubação básica, recomenda-se utilizar 150 gramas de N, 100 gramas de P e 200 gramas de K. Quando a cultura já estiver produzindo, utilizar 300 gramas de N, 200 gramas de P e 300 gramas de K.
FLORESCIMENTO Ocorre de um ano e meio a dois anos após o plantio por meio de rizoma. Nascem de 60 a 90 inflorescências por touceira ao ano. Ao colhê-las – as hastes devem ser de, no mínimo, 60 centímetros –, deite-as em água limpa, sem que haja imersão da inflorescência, para hidratação e retirada do calor do campo.

*CHARLESTON GONÇALVES é pesquisador do Instituto Agronômico de Campinas (IAC), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, tel. (11) 4582-7284
ONDE COMPRAR: garden centers e viveiristas são locais de venda de rizomas e mudas de bastão-do-imperador
MAIS INFORMAÇÕES: Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor), Av. Rota dos Imigrantes, 605, CEP 13825-0001, Holambra (SP), tel. (19) 3307-7734 ou (19) 9102-6014, ibraflor@ibraflor.com

Fonte:
Revista Globo Rural

Sobre o autor

Deixe uma resposta

*

captcha *