Descoberta de bateria solar “eterna” pode revolucionar agricultura

Uma bateria solar com energia virtualmente “infinita”, descoberta pela empresa israelense Sol Chip (Haifa), pode ter aplicações práticas na agricultura que transformariam os custos e a produtividade do agronegócio. O equipamento é capaz de se recarregar sozinho, fornecendo energia a sensores sem fio e dispositivos eletrônicos móveis, como resultado da polinização cruzada das tecnologias de células solares e microchips.

“A ideia é que os chips precisam de energia, então por que não dar a energia a eles diretamente? A empresa oferece a tecnologia que faltava, e que vai melhorar a vida das baterias ou, em muitos casos, eliminar a necessidade de uma bateria como fonte de energia em aplicações de baixo consumo”, explica Shani Keysar, CEO e fundadora da Sol Chip.

A empresa já trabalha com a também israelense Netafim para implantar baterias solares em gotejadores de irrigação. O objetivo é economizar em custos de manutenção no longo prazo, eliminando os altos custos que envolvem a substituição das baterias. Isso porque, atualmente, se um agricultor precisa substituir uma bateria em um sensor externo, é necessário enviar a unidade para a fábrica ou deslocar um técnico até o campo para substituí-la.

Até agora o produto está limitado a uma saída de 8,4 volts de energia – uma saída relativamente baixa, mas que já pode fornecer energia para uma ampla gama de dispositivos de uso externo. A empresa já trabalha para adaptar as baterias solares em sensores utilizados na agricultura e testes meteorológicos.

Um mercado que a Sol Chip espera atender também é a indústria leiteira, especialmente os monitores fixados nas vacas para coletar informações sobre o animal. Atualmente, esses sensores funcionam com baterias convencionais, que precisam ser substituídas e descartadas. Segundo a Sol Chip, a bateria solar teria nesse caso ainda uma vantagem ecológica.

É verdade que as células solares já são conhecidas há bastante tempo. No entanto, a empresa israelense afirma que não há ninguém na indústria de semicondutores que tenha integrado (em escala comercial rentável) as células solares dentro do processo padrão de fabricação de chips. O projeto foi apresentado pela primeira vez na 5ª Conferência e Exposição Internacional IDTechEx – o principal evento de captação de energia do mundo (Berlim, Alemanha). Na ocasião, a Sol Chip venceu o prêmio de Melhor Desenvolvimento Técnico em Captação de Energia.


Fonte: Agrolink