Governo lança em dezembro Plano de Desenvolvimento Rural Sustentável

O Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário deve ser lançado pelo governo federal em dezembro. As propostas já estão sendo discutidas em Conferência Nacional, que começou nesta terça, dia 15, em Brasília. Entre os participantes, estão agricultores familiares e representantes do poder público dos 26 estados e Distrito Federal.

Durante três meses, produtores rurais, agricultores familiares e representantes da sociedade civil e poder público participaram de encontros municipais e estaduais em todo o país. Mais de 10 mil propostas foram elaboradas e encaminhadas para a Conferência.

– Foram discutidos os principais temas ligados a agricultura familiar. A questão da ampliação dos mercados institucionais do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), para aquisição de alimentos. Foram debatidas também propostas para fixar a juventude no campo, com escola, Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) campo, pensando na qualificação profissional – disse o agricultor, José Antonio de Savidra.

– Foram divididos em 25 temas que serão discutidos em 12 comissões temáticas. Daí sairá as 100 propostas que serão a base para o plano nacional que ser feito em dezembro – destaca o coordenador geral da conferencia, Roberto Nascimento.

Para o ministro do Desenvolvimento Agrário, Pepe Vargas, o debate é fundamental para a elaboração de políticas públicas para o setor.

– Nós tivemos avanços importantes. Mas o objetivo dessa conferência é discutirmos o próximo período de 10 anos. Além de debater as políticas públicas necessárias para o desenvolvimento do Brasil rural, para que a gente tenha desenvolvimento econômico e social no campo, para que as pessoas possam se fixar com dignidade no meio rural – salienta.

– É muito importante ampliar a produção e a produtividade dos assentamentos. Para isso, é necessário aplicar um conjunto de políticas públicas que tem que ser aperfeiçoado, a conferência traz essas contribuições – destaca o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Carlos Guedes de Guedes.


Fonte: Rural BR agricultura